O objetivo é um só: o aprendizado do aluno


O grande desafio nacional é garantir eficácia e eficiência ao processo educacional, única forma de evitar a perda de milhões de talentos a cada ano, além das perdas financeiras que fazem com que valores destinados a investimentos educacionais se transformem em simples gastos. Colaborar com o País para que isso se efetive é o objetivo do Instituto Ayrton Senna. A forma privilegiada para construir essa nova realidade é apoiar as equipes das secretarias de Educação e escolas a incorporarem princípios gestores. Esses atores devem estar conscientes de seu papel como participantes, por certo período de tempo, de um processo de mudanças que envolverão análises e tomadas de decisões que irão refletir lá na frente, no progresso do município e, principalmente, no futuro das novas gerações.

O conceito de gestão comporta, necessariamente, duas dimensões: a dos sistemas/redes/secretaria e a da escola. Esta afirmação condiz com a certeza de que se o ensinar não cumprir sua missão – a aprendizagem do aluno – fracassa a escola e fracassa o sistema educacional. Insistindo mais um pouco, confirma-se que a razão da escola existir — na zona urbana ou no campo, pequena ou de grandes proporções, pública ou privada — é garantir o acesso ao conhecimento e a permanência exitosa do aluno, ou seja, sua efetiva aprendizagem. De acordo com Heloisa Lück, “torna-se fundamental que se construa uma consistência entre os processos de gestão de sistemas de ensino e o que se espera ocorra no âmbito da escola, mediante uma orientação única e consistente de gestão.”

Construindo uma gestão positiva

Por ser a gestão excelente caminho para a viabilização do desenvolvimento das competências cognitivas, relacionais, produtivas e afetivas dos alunos, é que ela se constitui a essência dos programas do Instituto Ayrton Senna, desde sua concepção até sua operacionalização.

É a gestão que permite ao processo educacional a adoção de políticas públicas efetivas. Pensar e praticar a gestão dessa maneira permite ir além da simples administração, gerenciamento ou monitoramento, os quais, muitas vezes, são entendidos como equivalentes da própria gestão quando, de fato, são recursos a serem incorporados à prática pelos profissionais da educação.

Uma gestão eficaz articula recursos e conhecimentos, além de ferramentas gerenciais, para garantir compromisso e envolvimento dos responsáveis. Em contrapartida, é preciso que as redes garantam aos gestores níveis de autonomia nos campos administrativo, pedagógico e financeiro, e que esses se comprometam com a qualidade do processo e dos resultados nas respectivas unidades.

O que se pretende é a construção de uma gestão positiva centrada no aluno e nos processos de aprendizagem, em todos os segmentos existentes, que respeite a autonomia escolar sem, contudo, esquecer o pertencimento a uma rede de ensino, organizada preferencialmente como sistema. Dessa forma, a secretaria de Educação torna-se artífice de uma gestão democrática e eficiente.

Prioridades da gestão educacional

Proposta pedagógica

Promove e organiza processos, no âmbito da secretaria de Educação e da escola, por meio da definição dos parâmetros sobre o que deva ser ensinado a cada ano e em cada etapa, através da elaboração do Programa de Ensino e da Proposta Pedagógica.

Recursos Humanos

Provê recursos humanos compatíveis com as necessidades requeridas pelos planejamentos, de forma a garantir sua implementação e o alcance dos resultados esperados.

Recursos físicos e pedagógicos

Garante espaço físico necessário para atender a 100% da demanda escolar; infraestrutura para que os alunos estejam presentes a todos os dias de aula, durante todo o horário escolar; recursos materiais e pedagógicos para o pleno desenvolvimento dos planos acordados; e apoio sistemático aos profissionais e acompanhamento contínuo do processo.

Descentralização

Adescentralização que se preconiza corresponde a dois movimentos:
1) Transferência de competências para as unidades escolares.
2) Fortalecimento da gestão pela escola e pela secretaria, através da abertura de participação dos profissionais nos canais devidamente constituídos.