Escola Sustentável

Junto com o lar, a escola é o ambiente de convivência mais próximo e cotidiano dos alunos e também um local de aprendizado em permanente construção e de transformações individuais e coletivas. Na escola, pelas vias das Letras e das Artes, brotam sonhos, desejos e ideias em cada criança e jovem do Brasil, que retratam um futuro melhor para suas vidas e para o Planeta. E se esta construção começasse na própria escola, transformando-a num ambiente melhor e mais sustentável? Onde o cuidado consigo, com o outro, com a coletividade e com o meio ambiente fossem práticas diárias na sua realidade.

Conhecer o que os alunos pensam hoje sobre a sua escola, o que desejam manter, o que desejam mudar, será um grande passo para iniciar esta transformação socioambiental em seu próprio pedaço! Portanto, o tema “Escola Sustentável” pode ser integrado como proposta pedagógica na unidade de ensino e perpassar várias disciplinas do currículo escolar, criando a possibilidade de ações práticas, projetos e até mesmo um programa contínuo e permanente para melhorar a escola e as redes de relações, do ponto de vista da sustentabilidade.

Sustentabilidade como tema, usando ARTES e CIÊNCIAS

Para abordar o tema sustentabilidade, iremos recorrer a um ambiente lúdico como as aulas de Artes. Imagine que você tem uma caixa com cacos multicoloridos. Uma peça isolada pode não significar muita coisa, mas quando você começa a juntar vários cacos, de forma planejada e harmoniosa, eles adquirem um novo sentido e valor: um belo mosaico que traduz a sua obra criativa. Se tirássemos uma das peças, a imagem não teria mais o mesmo significado, pois houve a ruptura da conexão. Seguindo esta lógica, pense na figura de um quebra-cabeça com múltiplas e variadaspeças que se encaixam formando uma Unidade chamada Terra. Cada parte representa algo que existe no Planeta, em nossas vidas, incluindo os recursos naturais, todos os seres vivos, suas redes de relações e suas atividades. Assim, os elementos ambientais (recursos naturais, biodiversidade e serviços ambientais), sociais (seres humanos, suas atividades e relações) e econômicos (matérias-primas, produção e consumo, atividades e necessidades ligadas ao desenvolvimento) não estão e nem funcionam separados. Eles precisam manter conexões e trocas contínuas para coexistirem e garantirem a vida na Terra. Na ausência de qualquer peça deste mosaico, com o passar dos anos haverá ruptura da cadeia afetando o equilíbrio de toda a Unidade!

É por isso que o conceito de desenvolvimento sustentável traz a ideia de que devemos viver satisfazendo as nossas necessidades de forma planejada para conservar a Terra e manter este sistema funcionando não somente no presente, mas também com a garantia para as futuras gerações.

Vamos conectar o universo das Artes com as aulas de Ciências, buscando inspiração na estrutura de uma colmeia. Ela é uma forma perfeita de múltiplas conexões, em todos os lados e direções, com tubos hexagonais que se encaixam pela habilidade das abelhas “arquitetas”, garantindo facilidades na organização das funções, moradia, alimento, calor, reprodução, deslocamento, comunicação etc. Com o auxílio da Matemática, percebemos que um hexágono tem seis lados iguais, os quais podem se unir, em todas as suas bordas a tantos outros hexágonos, infinitamente e na direção desejada. Se uma parte da colmeia se romper, será preciso reconstruí-la rapidamente com a agilidade e muito esforço das abelhas para garantir a sobrevivência de toda a comunidade que ali habita, inclusive a das gerações futuras. Tanto na construção compartilhada, quanto no funcionamento e na manutenção da colmeia, cada abelha é responsável por uma função específica e essencial, somando-se com o trabalho das demais. Assim como as abelhas, a contribuição de cada ser humano faz a diferença na sustentabilidade.

Planejamento, organização, disciplina, persistência, cooperação, solidariedade são facilmente observados no modo de vida desta incrível sociedade de insetos e um ótimo exemplo para ser trabalhado na escola. Ainda mais se você usar o formato das colmeias para simular uma situação de “insustentabilidade” com os alunos. Uma dica é reconstruir os mosaicos com imagens e elementos da realidade local. Na figura 2 retiramos uma das peças, a “água salgada e doce”. Sem a água, nenhum outro elemento pode existir na Terra. E se excluíssemos qualquer outra peça também não haveria mais as relações necessárias para a vida.

Figura 1: Unidade Sustentável Figura 2: Ruptura das relações - insustentabilidade

Mas, o que tudo isso tem a ver com a Escola Sustentável? Será que os alunos estão preparados para imaginar a “escola que desejam”, além de melhorias físicas que lhes ofereça mais entretenimento e bem estar?

A sua criatividade, experiência e vivência como educador, a partir da realidade local, farão a diferença na hora de planejar as atividades, mas para lhe auxiliar desenvolvemos os Mosaicos de Escolas Sustentáveis” .

O Mosaico A traz a escola como uma Unidade, constituída de valores representando a importância das relações humanas e a boa convivência, de pessoas e sua diversidade, de ambientes (naturais, urbanos, rurais), de recursos econômicos (bens, necessidades, produção e consumo etc) e de infraestruturas (variados ambientes, recursos e materiais necessários) para que ocorram as múltiplas aprendizagens. A ausência ou a falta de qualidade em qualquer destes elementos causaria uma fragilidade no processo da educação, afetando a escola como um todo. É por isso que o mosaico se completa com a necessidade de uma boa gestão e no caso das Escolas Sustentáveis, uma gestão com Ecoeficiência.

Observe, com atenção, que no hexágono central as Escolas Sustentáveis estão envolvidas com o eixo transversal da nossa proposta: cuidado consigo, com o outro, com a coletividade e com o Planeta Terra. É pelo investimento da educação nas relações de respeito e de cuidado que todo o resto pode se manter conectado e se fortalecer. Nos Mosaico B a G, você contará com textos e dicas de boas práticas para entender como cada peça é importante para a “construção” da sustentabilidade na escola.

Lembre-se que é no tipo de vivência proporcionada pelo cotidiano, pedagogia e ambiente da escola que as crianças e jovens podem desenvolver a cidadania e serem estimulados a adotarem estilos de vida sustentáveis, influenciando seus familiares, uma vez que adquirem conhecimentos, habilidades, percepções do mundo e principalmente relações que vão além dos livros didáticos. Mais do que investir altos recursos nas edificações e nas tecnologias ambientais, tudo deve começar pelo currículo pedagógico, onde as questões socioambientais da realidade precisam permear todas as disciplinas (transversalidade e interdisciplinaridade), de forma contínua e permanente, incorporando, junto aos conteúdos, ações e atividades práticas que permitam ao aluno adquirir conhecimentos, mas também atitudes voltadas ao bem comum!

O princípio número 1 do Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global (www.tratadoeducacaoambiental.net) reforça que “Somos todos aprendizes e educadores”. Na “construção” de uma Escola Sustentável o aprendizado é compartilhado, cooperativo, socioparticipativo e de responsabilidade de todos: alunos, junto com toda a comunidade escolar, devem ser autores e envolvidos diretamente no processo, contribuindo com suas experiências pessoais e olhar crítico.

Como desafio, sugerimos que o tema “Escola Sustentável” se torne uma meta, projeto ou programa da escola. Para manter este compromisso, ano a ano letivo, monitore os passos e avanços conquistados, bem como efetue as mudanças a tempo, ficando atento às políticas públicas locais, estaduais e federais, como as do Ministério de Educação e Ministério do Meio Ambiente, e de iniciativas privadas, que estimulam o desenvolvimento de escolas sustentáveis e podem fortalecer/ reconhecer o seu trabalho. Não se esqueça de documentar e divulgar a experiência.

Vivenciar, por meio de debates em torno de algo crítico, o que precisa ser melhorado será inspirador na hora de criar um texto ou um desenho o mais próximo possível da realidade escolar. E as obras podem servir como um bom diagnóstico para a gestão da escola implementar novas ações a partir dos sonhos, ideias e visão dos alunos sobre a escola que desejam. Mãos à obra e boa sorte! Vamos estimular a criatividade dos alunos para imaginarem a escola que desejam? Afinal, ela pode ser um espelho do que desejam para as suas vidas.

E para auxiliar o professor, publicamos aqui materiais de apoio, incluindo: diagramas com eixos temáticos da Escola Sustentável e duas sugestões de atividades práticas em sala de aula.

A atividade 1 “Construindo a escola dos nossos sonhos” é uma maneira lúdica de trabalhar o tema Escolas Sustentáveis despertando o interesse dos alunos a perceberem situações da sua própria escola.

A atividade 2 “O retrato de nossa escolar” é uma proposta complementar à atividade 1, mas pela qual você poderá aprofundar fatos reais que acontecem no cotidiano do ambiente de aprendizagem e sob os quais os alunos muitas vezes estão desatentos.

Para saber mais