CIRCUITO DA APRENDIZAGEM SOCIOAMBIENTAL: sensibilização para um novo olhar

O circuito da aprendizagem socioambiental é uma proposta de um novo trajeto a ser integrado às práticas pedagógicas em sala de aula. É uma corrida pela qual educadores e alunos formam uma mesma equipe e descobrem o maravilhoso universo da educação ambiental. A cada parada para abastecer-se com a energia necessária, um novo jeito de olhar para si e para a sua realidade irá acontecer!

Simplificando o trajeto: socioambiental significa que não podemos separar o meio ambiente das pessoas, ou achar que somos os proprietários do Planeta. Todos os seres vivos, incluindo os humanos, estão integrados na natureza e estabelecem, de forma permanente e contínua, muitas relações, interferências e trocas. Portanto, não é uma corrida com um único vencedor: ser humano e Planeta Terra devem tornar-se os grandes campeões! Prontos para a largada?

Conheça alguns elementos do nosso percurso:

Nossos pilotos: crianças e jovens brasileiros com muitos sonhos, ideais e habilidades, capazes de se transformar e de transformar o seu entorno, a sua realidade: num mundo belo, solidário, humano, com respeito e cultura da paz, rico em natureza e em qualidade de vida, onde todos, seres vivos e Planeta Terra, podem conviver de forma harmoniosa, equilibrada e sustentável.

Nossa pista: temos um percurso definido e faremos algumas paradas para armazenar as sementes que iremos colher.

A imagem abaixo de uma flor representa a nossa pista e cada pétala contém as principais paradas que iremos fazer: cuidar de si, cuidar do outro, cuidar da coletividade, cuidar do meio ambiente/Planeta Terra, aprendendo a aguçar os cinco sentidos humanos.

Nosso combustível: precisaremos de muita energia para percorrer tantos caminhos, opções a escolher e realidades a conhecer. No início do trajeto, receberemos um “bornal” (é um saco de pano ou de couro, usado a tiracolo, onde se levam provisões, ferramentas etc), também em formato de flor, para armazenar todas as sementes durante o percurso. A primeira semente é você, educador, com a responsabilidade de se conhecer melhor, com todas as habilidades e potenciais para envolver seus alunos de forma atraente e curiosa na educação ambiental. Com o auxílio de outros instrumentos de educação ambiental, você verá que novas sementes irão surgir no seu bornal. E aquelas já regadas, como autoestima, sensibilização, conhecimento, criatividade e vontade de agir, irão se espalhar naturalmente com o vento durante o circuito, envolvendo mais e mais pessoas na corrida.

ATIVIDADE
Reproduza o molde de seu bornal em formato de flor numa folha de papel, colorindo as pétalas com lápis de cor e escreva nelas suas melhores intenções e desejos para o ano letivo. Recorte o molde e dobre as quatro pétalas nas linhas pontilhadas para dentro, ficando as pontas viradas para cima e unidas num único ponto, como um saquinho que contém suas sementes. Segure as pontas unidas com os dedos da mão, tocando a flor com carinho, e deposite-a cuidadosamente num recipiente com água. Observe atentamente o que acontece quando a água incha as pétalas e sobe gradativamente pelos minúsculos furos das fibras do papel: enquanto a flor se abre, amplie seu olhar para perceber além do que está escrito, sinta o cheiro que ela quer lhe transmitir, escute o que ela tem a lhe desejar na sua jornada pedagógica, perceba que as sementes, seus alunos, serão a energia e o alimento positivo para o ano todo, enfim, maravilhe-se com a beleza de uma flor que desabrocha na natureza reproduzindo a benção da vida.
Nossos desafios: promover intervenções, ao longo do ano letivo, que possibilitem os alunos a se conhecerem melhor e a se (re)conhecerem como protagonistas de sua transformação e da transformação do meio ambiente. Investigarem suas realidades para encontrarem o que há de melhor a compartilhar, o que querem manter e o que desejam mudar: em suas vidas, na escola e na comunidade. Cuidarem de si e respeitarem todo ser vivo, o outro, o meio ambiente e o Planeta Terra.

Chave mestra: durante a corrida, estimularemos os alunos a aguçarem seus cinco sentidos humanos, para além do que já fazem, como uma poderosa chave mestra que ajudará a desenvolver a sensibilidade necessária para perceber e resolver os desafios das realidades enfrentadas. Iremos lhe propor uma atividade para começar a sentir os efeitos desta descoberta e que você também pode oferecer aos alunos. E na sequência, há uma comparação dos cinco sentidos humanos com os sentidos a serem desenvolvidos na educação ambiental.

Os cinco sentidos da educação ambiental

AMPLIAR O OLHAR: perceba além do que você “vê”. Existem conexões por todos os lados e nada é estático, tudo muda a partir de você e conforme o seu ambiente.

ESCUTA SENSÍVEL: diferente do ato de simplesmente ouvir, “pare” para escutar o que os alunos e o ambiente ao nosso redor têm a dizer (e vice-versa). Para aprender, o silêncio é tão importante quanto são as palavras.

RESPIRAR: estimule o olfato para além de cheirar, sabendo que o ar que conduz os “odores” em nossas narinas também traz a força da vida, renovando seus pulmões e intenções. Ao expirar você também comunica os seus desejos e sentimentos.

TOCAR: do quente para o frio, do áspero para o liso, transforme o seu tato na capacidade de “tocar” com o coração, confortando, abraçando, transmitindo valores de ânimo, confiança e aconchego. Abrace a Terra como abraça quem mais ama!

ALIMENTAR: mais do que apresentar um bom paladar, compreenda que essa energia do alimento lhe é proporcionada pelos diversos recursos da Terra, cultivados com cuidado por muitas mãos até chegar a sua mesa. Se essa essência nutre a sua vida, alimente nos alunos pensamentos bons, com a vontade e determinação para superar desafios pela conquista da aprendizagem colaborativa e menos competitiva. Crie o desejo de também tornar-se uma pessoa melhor ao invés de somente ser “o melhor”.

Os temas e conteúdos: os principais eixos do nosso trajeto são: cuidado consigo, com o outro, com a coletividade e com o meio ambiente/Planeta Terra; esses temas serão acompanhados de subtemas como autorrespeito, respeitar e ser respeitado, boa convivência entre os seres vivos e o meio ambiente, os serviços ambientais da Terra e os cuidados necessários para mantê-los sustentáveis, desafios da degradação ambiental e social, qualidade de vida e possíveis soluções, entre outros.

A reta final: será a alegria e a percepção de que tudo valeu a pena! Por menor que seja o tamanho de nosso projeto ou da ação desenvolvida em nossa escola, mudanças de atitude e de comportamento acontecerão.